Skip to content

Polícia X Polícia. Quem ganha?

novembro 25, 2013

Polícia x Polícia. Imaginem a cena.

O legendário Sun Tzu, protótipo do general invencível, ensina em “A arte da guerra” que, o comandante de exército que conhece o seu contingente e também o do adversário, tem maiores chances de vitória que aquele que desconhece um dos dois lados, ou seja o seu ou o outro. Já o que desconhece ambos os potenciais, perde a batalha com certeza.

Assim podemos ver acontecer com o Estado de Minas Gerais, bem como todo o Brasil, no que se refere à atitude em relação à segurança pública. Os agentes de segurança pública não são capazes de reconhecer entre um policial e um bandido. São mal treinados e não dispõem de equipamento adequado para trabalhar. Não se conhecem, nem são capazes de reconhecer o adversário. Estão fadados ao fracasso.

Em mais uma ocorrência pitoresca, digna de um pastelão mexicano em preto e branco, ou dos saudosos Três Patetas, experimentamos outra vez uma desinteligência entre policiais militares e civis, na qual os agentes da polícia judiciária, mal preparados que são, usando veículo sem identificação, sem algum tipo de identificação que os distinguísse, descem da viatura com armas em punho, em direção a um terceiro, que por sua vez, descera de uma moto e entrava em um estabelecimento comercial. Imaginem a cena.

Nada de errado para eles, policiais que acredito, estavam, mesmo que de forma inadequada, no cumprimento de seu dever. Mas para quem vê a cena pelo ângulo da sociedade vitimizada diariamente por assaltos e ainda, pelo ângulo de um policial militar cheio de disposição para defender a vida e o patrimônio de sua família, a história é bem diferente. Ora, o PM também estava em trajes civis e segundo algumas versões, já chegou atirando, o que é compreensível, a partir da sua convicção momentânea de que lidava com bandidos, mas parece ter contribuído para confundir os outros policiais, que devem ter ficado sem opção e sem entender o que acontecia. Imaginem de novo a cena.

Quem já participou de algum tipo de abordagem policial sabe que a situação é sempre tensa. O policial é uma pessoa sujeita à influência das emoções como qualquer outra pessoa. Aquilo deve ter sido um inferno, que só eles, os envolvidos, podem descrever.

Resumo da opereta: falta de preparo por parte de todos, gerando uma sequência de ações equivocadas, sem o uso das técnicas e dos recursos adequados para a execução das abordagens. Fizeram tudo errado e ainda mostraram ao povo que, quando o interesse é o corporativismo barato, conseguem encher a praça de viaturas e de policiais em poucos minutos. Os chefes dão entrevistas dizendo como sempre, que tudo será devidamente apurado e os culpados serão severamente punidos.

Felizmente os danos físicos foram menores, passíveis de reversão, ao contrário dos danos morais, psicológicos e outros, que não se pode medir de imediato, mas que deixam marcas profundas nesses homens e também na sociedade que os remunera. Pior é que as causas continuam e continuarão os efeitos. Não se trabalha na prevenção. Resta-nos esperar pelo próximo incidente e torcer para que não seja mais grave. Imaginem a cena…

Anúncios

From → Crônica

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: