Skip to content

Tsunami

abril 10, 2014

    

Pois é… a História não deixa escapar nada. Nossa memória sim, sempre seleciona, conforme a perspectiva de quem fala. Ao tomar as terras cananéias, o “povo de Deus” subiu matando e devastando tudo… abençoados; Constantino transformou perseguidores em perseguidos do dia para a noite… santo; A igreja (católica) matou milhares, encoberta pelo manto sagrado das cruzadas e da famigerada inquisição… normal; o Calvinismo matou sei lá quantos, por divergirem da fé oficial… (cristã).

   Agora, como manifestação natural do aspecto cíclico do desenvolvimento da humanidade, eis que estamos em franca e visível decadência (por culpa de quem?)… É hora de chorar e reclamar? Não, certamente que não. É hora de ação.

      Na verdade, sempre é hora de ação, mas, como somos movidos por emoções, certos momentos são especialmente facilitadores do surgimento de novas ideias. Creiamos e aguardemos: Novas ideias surgirão, a partir do desmoronamento que estamos experimentando, embora muitos neguem, da fé no transcendente, da esperança no sobrenatural.

     Não temos atualmente, mais que doentes em busca de curas, pobres em busca de riquezas, usurpados em busca de ressarcimento, todos dando o que não têm para furar a fila da sorte e da bênção. Por outro lado, as pessoas estão se matando por nada. Roubam e matam como se o outro não fosse um espelho de si. Não se reconhecem no outro. Não se vê mais no outro uma obra de Deus.

     Faliu o cristianismo. Apenas não nos demos conta disso ainda e insistimos em pregar uma cura milagrosa para o mal que requer ação racional.

     É como numa tsumani, que começa com um abalo sísmico imperceptível. As pessoas só percebem o estrago depois que a grande onda passa e destrói tudo. Pois o abalo na estrutura moral da nossa sociedade já ocorreu. O esvaziamento da praia já pode ser percebido. Em alguns pontos já se pode sentir a devastação que arrastou de nós o senso ético, o conceito de moral.

     Há que se abrir os olhos e se acender a luz. Há que se abandonar o fanatismo, os discursos vazios e inúteis e se partir para ações práticas e objetivas, a partir de cada um, a partir de cada família, de cada comunidade.

A culpa, a responsabilidade não está no outro, mas em nós. Em cada um de nós.

 

Ação, antes que a onda venha e nos engula sem misericórdia.

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: