Skip to content

Racismo, injustiça ou hipocrisia?

novembro 9, 2014

A desigualdade social em nosso país é óbvia e inegável. A diferença do tratamento historicamente recebido por ricos em comparação a pobres, negros, índios e mestiços em comparação aos chamados brancos, nordestinos em comparação aos nativos do sul e sudeste é gritante e facilmente explicável.

Tomemos o caso do professor Manoel Luiz Malaguti, da UFES, acusado de racismo, por ter manifestado em sala de aula sua opinião de que os alunos cotistas seriam responsáveis por uma baixa no nível das aulas, ou algo parecido.

Dois aspectos importantes precisam ser levados em consideração: A reação apaixonada e desmedida contra a liberdade de expressão e a realidade escondida sob a fala do professor, mesmo que esta traga em si algum tipo de injúria contra tal ou tal segmento da sociedade.

Se ele disse que os cotistas tiveram, por motivos óbvios e até por isso são cotistas, menores oportunidades de formação, não parece tão absurda sua tese de que haja diferentes níveis de compreensão em uma determinada turma de estudantes, determinada essa diferença por fatores como, alimentação, acesso a saneamento básico, exposição a meio social violento, falta de exemplo familiar, maior facilidade de acesso a drogas (lícitas inclusive) desde a infância, etc. etc. Os que se salvam das garras da criminalidade ainda precisam trabalhar e estudar ao mesmo tempo, para concluir o ensino médio, antes de serem ou não, incluídos no sistema de cotas.
Parece óbvio que as classes até então menos favorecidas, hoje atingidas pelas cotas, certamente não estão atualmente em condições de igualdade com os abastados, que desde crianças comem do melhor, recebem cuidados médicos de qualidade, educação formal fornecida pela rede particular, intercâmbio cultural internacional etc.
Ora, não estou certo de que os que se arvoraram do papel de heróis, (inclua-se o desembargador que disse ter tomado conhecimento do caso pelos jornais e imediatamente entrou com representação) para a imediata repreensão do infeliz docente, em algum momento se atentaram para a grande verdade escondida sob sua fala. Quem em pleno juízo, é capaz de afirmar que existe equilíbrio de condições na formação de nossos profissionais, consideradas suas origens raciais e sociais?

Mais que a apaixonada defesa dos excluídos diante dos holofotes ou pela mera divulgação desse tipo de fato, por mais que ele realmente seja inadequado para a sociedade que desejamos, há que se abandonar a hipocrisia e encarar de frente a realidade do país racista e classista em que vivemos.

Anúncios

From → Uncategorized

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: